Step

Uma excelente atividade cardiovascular e que de quebra fortalece os músculos das pernas e dos braços, desenvolve a noção espacial, a coordenação motora, o reflexo, emagrece e passou a ser mais um segmento da ginástica.

Desde então, as aulas de step vêm sendo aperfeiçoadas até chegar ao requinte de ter seqüência de passos de acordo com o estímulo muscular ordenado e claro, com ritmo musical adequado ao fundamento das valências físicas desejadas na aula. Criou-se aulas combinadas de step com localizada, com street funk, com circuito e com pesinhos de mão. Tudo é aceitável desde que essas aulas sigam um fundamento com progressão pedagógica. Numa academia onde se conheça bem o nível de rotatividade dos alunos dá até para montar uma periodização da ginástica localizada mesclada com o step.
Com mais de dez anos de criação do step, o Colégio Americano de Medicina do Esporte já tem fatos e dados suficientes que colocam essa atividade numa posição de destaque quando comparada, por exemplo, com a ginástica aeróbica de alto impacto e a corrida. O step oferece menos riscos de contusões mais graves ficando restritas a dores musculares nas coxas, gastrocnêmios (batata das pernas) e tendão de Aquiles.

As pesquisas mostraram uma melhora de até 16% na aptidão cardiovascular, aumento médio de 13% no consumo de oxigênio (VO2 Máx.) e diminuição de 1,4% no percentual de gordura num programa inicial de controle de doze semanas (considerando três dobras cutâneas).

Os estudos concluíram também que essa atividade pode gastar de 300 a 500 quilocalorias em aulas variando respectivamente de 30 a 70 minutos. Para que esses valores sejam obtidos com segurança por qualquer pessoa, os estudiosos sugerem uma freqüência ideal de três vezes por semana como qualquer outra atividade física.

Ao contrário de outras aulas, o step é uma atividade que exige do professor uma ação contínua e por isso mesmo os pesquisadores centraram também suas observações nesses profissionais que chegam a ministrar 5 a 6 aulas por semana. Concluíram que as bases fisiológicas podem ser comparadas aos dos atletas fundistas. De fato, os professores de step costumam ter VO2 Máx. mais alto, baixo percentual de gordura, freqüência cardíaca de repouso também mais baixa e pernas fortes.

Uma atividade assim tão boa também não é pra ir entrando logo "de cabeça". Exige-se orientação profissional. Em primeiro lugar, se você é iniciante comece com os steps mais baixos, 10 ou 15 cm de altura, Ao subir, procure pisar bem no centro e mantenha uma postura alinhada. Na descida use a ponta do pé para amortecer fazendo o movimento de "mata-borrão" da ponta do pé para o calcanhar. Evite movimentos bruscos, muito comum quando a gente perde o passo. Se você errou a coreografia não fique com vergonha e nem tente sair correndo atrás do passo "matando barata". Pare em frente ao step e "pegue o bonde andando". Ou seja, quando a coreografia passar pelo passo básico continue. Procure dominar bem os movimentos de giro porque eles podem levar a uma contusão de joelho. Não fique muito afastado do step, apenas o suficiente para dar um passo normal. Por fim, curta essas aulas que têm uma semelhança também com a dança.